Livro de Setembro: Razão e Sensibilidade


Com esta loucura que me foi imposta nos últimos tempos, além dos naturais acontecimentos improváveis, acabei negligenciando uma das minhas sessões aqui do blog: Livro do Mês. Para quem não sabe ou é a primeira vez que esbarra com meu espaço - Seja Bem vindo! -, possuo alguns tópicos fixos, como por exemplo: RedescobrindoAlém da ArteFilmografia em Fotos e Outros. Então, para dar um espaço maior a literatura, uma vez  a cada 30 dias, comento sobre um livro que li neste período. Ou seja, uma obra literária mensal! Assim, em virtude do correr diário, o último post era do mês de julho. Por isto, nesta semana estarei recuperando o atraso e falando sobre os livros que selecionei para cada mês. Então, para setembro em homenagem ao bicentenário da obra, reliRazão e Sensibilidade.

  • Principal Atrativo:
Eu li pela primeira vez este livro logo após ter assistido a sua versão cinematográfica realizada em 1995 por Ang Lee. Até então nunca havia me atentado para esta tal autora Jane Austen, contudo, a forma como ela criara a relação daquelas duas irmãs opostas em posturas e similares em sentimento encantou-me de tal forma que a identificação foi imediata: Eu tinha a Razão de Elinor, Eu tinha a Sensibilidade de Marianne. Jane Austen aos poucos foi se tornando uma das minhas escritoras preferidas; Ainda que muitas vezes seja associada a um símbolo de mulher mais frágil - principalmente pelo conceito superficial das personagens por si criadas -, percebo uma fêmea em sua maior força, usando das armas que possuía no período e não fugindo do sentimento, mesmo que seu destino estivesse sendo traçado por outros. Vejo muitas facetas nas mulheres românticas deslindadas por Jane, facetas estas falhas, humanas, complexas e distantes da idealização.

  • História:
Após o falecimento do Senhor Dashwood, as mulheres da família - a viúva de um segundo casamento e suas três filhas - não podem ser caracterizadas como herdeiras. Então, o meio-irmão delas recebe na integralidade as terras de seu pai. Assim, elas ficam em situação adversa, tendo mudarem-se para uma nova residência mais humilde e distante. Elinor, a irmã mais velha, sempre adotou uma postura mais lógica, inclusive no que diz respeito ao seu amor por Edward; Enquanto Marianne, a irmã do meio, deleita-se no mais puro sentir em todos os aspectos de sua vida, especialmente na paixão. Ambas irão viver momentos que as farão buscar o equilíbrio entre a razão e a sensibilidade.

  • Opinião:
Quando devemos ser lógicos? 
Quando devemos ser emocionais?
A luta entre o dever e a vontade sempre esteve presente na humanidade. O bom senso por vezes incomoda o nosso âmago e seu querer, nem sempre a melhor escolha é a mais satisfatória emocionalmente. Em contrapartida, algumas escolhas racionais são tão infelizes que afetam diretamente o resultado. Como conciliar a razão com a sensibilidade? Jane Austen nos traz a resposta através da trajetória de duas irmãs, cada um representando o epítome da dualidade. Apesar dos 200 anos, a obra mantem-se de fácil leitura, reviravoltas interessantes e, o essencial, com uma conjectura atual - afinal, as complexidades humanas nunca se esgotam. As personagens secundárias são, de igual forma, figuras completas em trejeitos e postura. Para mim, ainda que alimente minha veia romântica vez ou outra, o que mais me agradou foi justamente o caráter falível das personagens e a evolução conseguida pelas experiências e pelo convívio. Ademais, o elemento feminino não exclui o sabor masculino, sendo o texto aproveitado por ambos o sexo.

Um livro para ser lembrado e celebrado sempre, permanecendo arreigado no legado popular cultural. 

  • Extras:
A obra literária possui diversas adaptações para o cinema e para a televisão, conforme segue: Razão e Sensibilidade (1995), Sense & Sensibility minissérie de 2008 - esta adaptação é especialmente boa -,  outra minissérie homônima de 1981 e mais uma em 1971


This entry was posted on 8 de nov de 2011 and is filed under , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

12 Responses to “ Livro de Setembro: Razão e Sensibilidade ”

  1. Nossa amo esse livro.Li ele mês passado e estou apaixonada!

    ResponderExcluir
  2. Eu acho muito legal blogs que separam um espaço para literatura. Eu sou apaixonada por livros, e sempre tento incentivar as pessoas a minha gostarem um pouco mais, porque ler é importante né? Eu adorei a história de livro, e com certeza ele estará na minha lista de leitura. ;*

    ResponderExcluir
  3. não conhecia esse livro.. teu blog é bom e bonito, não só o blog né, como também a dona dele

    http://rocknrollpost.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Apesar de estudar literatura, jamais dei atenção à Jane Austen. Não conhecia o enredo do livro. interessei-me porque tenho em mente escrever sobre duas irmãs. Parabéns por não se esquecer da literatura.

    ResponderExcluir
  5. uau. me interessei bastante pelo livro, nao conhecia o filme também.
    vou procurar pq achei a história..
    xD
    me visita lá qdo puder:
    http://perguntaporque.blogspot.com/2011/10/sem-o-manual-que-eu-nao-leria-mesmo.html

    ResponderExcluir
  6. Livro muito bom, seguindo, segue ai também: www.inforblogba.tk

    ResponderExcluir
  7. Amei esse livro
    li um pouco dele ontem
    mas tenho tanta preguiça de ler
    rsrs.

    ResponderExcluir
  8. Karla!
    Bom, este eu conheço e confesso; é ótimo.
    Jane Austen dispensa comentários. É difícil encontrar alguma de suas obras que não me agrade. Esse é o tipo de livro pra ler e reler. Muito boa a indicação!

    ResponderExcluir
  9. Da Jane Austen, li apenas Orgulho e Preconceito, mas se tratando dela, esse deve ser maravilhoso também...

    ResponderExcluir
  10. ainda não li esse
    mas pelo tema das irmas nao receberem a herança e terem q mudar de vida, parece ser muito bom ^^

    ResponderExcluir
  11. O Livro e otimo
    mas nao escondo minha prequiça de ler
    todos os livros poderiam ser LIVROS Falados
    rsrs

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!