Café, Despedida, Poesia

Sentada naquela mesa
Entre o tempo e o som,
Nenhum sentimento instalado possui razão ou rima.
Tão somente o ar permanece,
Misterioso e obscuro,
Circundando.

A vontade urgente de quebrar os resquícios da paixão sazonal
Cala-se perante a incumbência errática do futuro.
Nenhuma redoma protetora salvará o amanhã.

Imagens correm estáticas,
Frame by frame.
Aquele rosto inesquecível,
Aquela sensação inaudível,
Sufoco.

Demônios previstos pela cigana encaram-me.
Preciso levantar-me daqui,
Forças esvaindo,
Juro:
Só mais uma xícara de café,
Mais um gole da amarga delícia,
Seguirei.

This entry was posted on 20 de fev de 2013 and is filed under , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

Leave a Reply

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!