Uma Questão de Fé

Religiosidade e Espiritualidade, para mim, estão conectadas diretamente com tolerância, visões de mundo, diversidade de crenças e ritos. Qualquer postura que assuma sua verdade absoluta, sem espaço para as mudanças sociais e para as novas descobertas, soa irreal em mim. Nunca cogitei a fé - ou mesmo falta dela - como um meio de encontrar respostas. Acredito ser o caminho na busca de novas perguntas. Nada que me ofereça máximas prontas e simples cabe no que pressinto como tal, não quero comodismo. Quero sentir-me viva.

Meu universo interno possui uma percepção bem única do que seria espiritualidade. Não estou preocupada com Deus e pecado especificamente, minha fé é energia. Creio que somos poeira estelar, interligados por nossos laços energéticos, seguindo com a lei da ação versus reação - respondemos por nossos atos. Acredito na evolução pessoal e espiritual de cada homem dentro dos limites que lhe são alcançados. Fujo dos julgamentos. Minha crença é intuitiva, conforme demonstra minha poética que segue:

Rosas Chinesas
Quem pode dizer-me se merecemos o etéreo?
Quem pode dizer-me se o luar é a resposta divina?
As lágrimas dos anjos viram árvores?
Você falava do sabor do café da manhã?
Há uma aurora nova todo o dia?
Alguém me contou que as rosas chinesas
São milhares de noites em uma;
A última pintura feita na tarde,
No índigo, no azul...
É verdade?
Os sonhos são florestas?
São jardins de rosas chinesas?
Sei que a chuva vira rio,
Suspeito que o paraíso esteja em cada um.
Não sei.
Não perguntei.
Mas será?
Será que Deus sabe?
Sabe que de rosas chinesas sou eu cultivada?
John William Waterhouse
Veneração
Uma menina fita o oceano,
Ao longe reza pelos barcos.
Sabe ela que são seus sonhos que os barqueiros conduzem;
Sabe ela que estes homens não são homens,
São anjos
Que na praia recolhem preces;
Sabe ela que Deus não mora no céu,
É no mar que Ele se esconde.
Ou então porque aquela água seria salgada?
São as clamações humanas que O fazem chorar.
Uma menina fita o oceano
Esperando a volta dos barqueiros,
Rezando para que seguros estejam,
E para que tragam a resposta divina
Quando aportarem novamente.
Nada mais belo do que provar do mundo em sua essência e perceber a infinidade lírica que lhe cabe. Minha religiosidade são os versos sob quais nasci.

Este texto faz parte de uma BLOGAGEM COLETIVA com a temática de Espiritualidade, a qual ocorre hoje. Para mais informações confira aqui. Os outros blogs participantes são: 
Devaneios e Desvarios; Escritos Lisérgicos; Telinha Crítica; (IN)Feliz; As Crônicas de Von Serran; Uma Pandora e sua Caixa Palavresias; Espelho da Alma SoninhaMoiselleMad; Umas e Outras; Versos, Prosas e Colóquios; Minha Forma de Expressão; Diário de Um ano bom; Humor em Conto; Perplexed Life; Borboleta Cinza; Sementes Preciosas; Cuidando do Nosso Canteiro Interior; Revolta e Romance; Sal Page; Inconsciente Flutuante; Paulo Cheng; Portal do Inferno; Samambaia Eternamente; Eternamente VV;  Escritora de Artes; Divagações de Cronópio; Apenas Palavras; Espaço Zero; Meu modo suave de escrever; Relativa Seriedade; Ishitara Enluarada; Malú I am; Preenchendo o Vazio da Existência; Café Entre Amigos e Diários de Bordo.
Faith is a passionate intuition. 
- William Wordsworth


This entry was posted on 6 de jul de 2012 and is filed under , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

16 Responses to “ Uma Questão de Fé ”

  1. Regiligiões sempre foi um assunto dificil para nossa ssociedade. Todos temos pré-conceitos com religiões dos outros.
    Amo seus textos e versos.

    http://thediaryboy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Karla, tudo bem?

    Achei interessante a tua abordagem a respeito da evolução da espiritualidade, pois também não acredito num conceito estanque e preso, onde existe uma evolução, que seja interna.

    Beijos e ótima sexta-feira!

    ResponderExcluir
  3. Tudo muito lindo, seu post é maravilhoso, parabéns.
    Um grande abraço.

    http://eternamentevv.blogspot.com.br/2012/07/espiritualidade-blogagem-coletiva.html

    ResponderExcluir
  4. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem?
    perfeito o texto inicial...nada necessariamente é eternamente verdadeira. Ela pode ser verdadeira diante de determinadas circunstâncias...logo as verdades fundamentais são, sim, questionáveis, e todos têm o direito de fazê-lo...
    e gostei dos poemas...impecáveis!
    Bom final de semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Karla Hack, identifiquei-me bastante com suas colocações quanto ao tema. Sobretudo, quanto a disparidade existente entre religião e religiosidade, onde a religião poderia ser classificada como uma doutrina, ao passo que a religiosidade é o que reside dentro de cada ser, isto é, um Deus cujo jaez é criado livremente por nós mesmos.

    No mais, aprovei seu blog. Sou seguidor.

    Um grande abraço!

    Anselmo

    http://brevescronicas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Amiga,mandou muito bem em seu texto,eu não poderia esperar outra postura de você senão essa,sempre tão agradável,refinada e diplomática.Realmente seus versos são espirituais,lendo-os senti-me conectada a um universo em plena expansão ao mesmo tempo em que adormecia suave nos jardins do Éden.Quero uma rosa chinesa de lá! u_u

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  7. Interessante sobre a sua abordagem sobre energia e infinito.
    Devo dizer que gostei mais do segundo poema. Isso explica o porquê da água do mar ser salgada. heheh
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  8. Olá, Karla.
    Creio que a espiritualidade seja algo tão íntimo e indissociável de cada um de nós que simplesmente não seja possível querer que ela seja apaziguada por um conjunto qualquer de regras pré-estabelecidas.
    O caminho de cada um de nós é único e criado a cada instante.
    Abraço, Karla.

    ResponderExcluir
  9. Olá Karla,
    Ficou muito interessante o seu texto e sua visão sobre a espiritualidade, e como disse bem, também acredito que nada fará sentido nesse campo sem uma transformação interna que promova melhorias para o meio em que vivemos.

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  10. Karla, seu post foi um dos primeiros que li e acredito que deve recordar haver comentado o quanto gostei da mescla de depoimento em forma de crônica juntamente com as poesias.
    O grande erro que admito ter cometido em relação a espiritualidade foi o de querer encontrar uma resposta definitiva e isto, hoje sei, não irá ocorrer. Outro grande erro foi culpar-me de muitas coisas que hoje vejo, são tão pequenas aos meus olhos, imagine então para algo maior...
    Gostei bastante do seu ponto de vista, ele é bem semelhante ao dos wiccanos. Você é ou já foi praticante da Wicca?
    Meus muitos parabéns pelo tão inpirado post.

    ResponderExcluir
  11. Karla, gostei muito da sua perspectiva sobre espiritualidade. E de como, em seu poema "Veneração", o olhar de uma menina consegue redefinir o que é divino e onde ele se encontra. Muito bonito!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. OLá Karla, boa tarde!

    Nesse meu tour pela blogosfera, visitando e apreciando os trabalhos da Coletiva sobre Espiritualidade, o teu foi um dos que me chamou a atenção pela objetividade do pensamento em destacar uma abrangência dinâmica de espiritualidade, sem que se afirme por verdade absoluta, mas que promova mudanças sociais e também para as novas descobertas, ou seja, entendi que que a espiritualidade não seja algo estático, etérico, mas que resulte em ações, como resultante dela. Muito, mas muito bom mesmo Karla!

    Parabéns pela participação brilhante na Blogagem Coletiva, adorei!

    Muito obrigada pela visita ao Sementes Preciosas, e às palavras deixadas por lá...

    BJosss da Lu...

    ResponderExcluir
  13. oi, faco parte da blogagem coletiva e estou aqui atrasada, mas presente!
    amei seu texto assim como os versos.
    soa de uma claresa, uma beleza, incontestaveis.
    aliás, em espiritualidade nao há o que contestar, temos apenas que respeitar.
    sinto uma linda pessoa através de seus escritos, repletos de verdades ditas com palavras doces.
    parabéns pela linda participacao. um abraco,

    ResponderExcluir
  14. Oi minha querida... sua postagem ficou como vc, linda!!! Olha, vc já leu como eu concebo a espiritualidade e tal qual falei em meu blog, é simplesmente uma questão de sentir, é individual!

    bjks :) JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  15. Oi Karla!

    Tudo bem?

    Encontrei o teu blog no blog "Antes Que Ordinárias" e li o teu artigo acerca do dia de hoje, sexta-feira 13, dia das bruxas. Deixei lá um comentário e sou seguidora de vocês.

    Vim conhecer o teu blog e adorei, noto que temos coisas em comum: a poesia e a BC - Espiritualidade, da qual também participei.

    Então, li a tua postagem acerca deste assunto, que muitas vezes se torna polémico porque as pessoas não sabem debater sem entrarem em conflito por causa dos seus egos.

    Concordo com a tua maneira de ver, de crer e de sentir as coisas. A espiritualidade e a religiosidade são coisas diferentes, que muita gente que conheço dizem ser uma e a mesma coisa.

    Parabéns e... estou a seguir o teu blog.

    Tem um dia mágico! rsrsrs

    Um beijinho e o meu url para me visitares se quiseres...

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.pt/2012/07/blogagem-colectiva-do-blog-escritos.html

    Cris Henriques

    ResponderExcluir
  16. Adorei o depoimento e os poemas... Fizeram-me pensar em transcedência, em imensidão.
    Gostei de conhecer sua postura em relação à espiritualidade, e parabenizo-te pela participação na blogagem coletiva.
    Abraços!

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!