Não Era Bem Sobre O Que Pensei: Músicas Que Enganam!

Imagem do We Heart It
Música e poesia são artes que andam muito bem unidas. Afinal, quando a composição da canção é bem feita tem suas raízes na poesia, nas letras em significações variadas, num ritmar inspirado. Desta forma, fica fácil perceber que a "liberdade poética" envolvida na construção musical pode gerar equívocos e divergências de interpretação. São sobre estas dualidades interpretativas que resolvi comentar hoje. 

Com este conceito em mente selecionei 6 músicas - divididas em 3 categorias - cuja a inspiração para a composição e a forma como ela presenciada no popular são de magnitudes diversas. Vamos a playlist?

Conotação Popular e Objetivo da Composição São Diversos
Every Breathe You Take: Conhecida por ser uma das músicas mais românticas da banda The Police, foi composta com uma visão bem diferente. Longe do amor, a letra da canção de Sting trata de um perseguidor, completamente obsessivo. Agora, é só bem observar cada frase cantada para perceber todo o ciúme e vigilância envolvida no pensamento da persona em questão.

Losing My Religion: R.E.M. sempre adotou multi elementos em suas músicas. Com esta aqui não poderia ser diferente. Em contramão do entendido na canção do Sting, esta composição do Michael Stipe é vista como uma representativa de fé. Contudo, a inspiração veio de um Amor Platônico - com veias na obsessão. Reparem neste trecho: "I thought that I heard you laughing, I thought that I heard you sing. I think I thought I saw you try.". Viu?!

Inspiradas em Crime
Stack O'Lee ou Stagger Lee: Com mais de 170 regravações e duas versões oficiais esta música é um clássico popular viajando do gênero blues ao rock com tranquilidade. É provável que tenha ouvido pelo menos uma das variadas interpretações já apresentadas no cenário musical (Nick Cave, The Black Keys, Samuel L. Jackson e Lloy Price), com tanta imortalidade na canção fica até difícil acreditar que ela foi inspirada num crime real acontecido em 25 de dezembro de 1895, quando um motorista de carruagem afrodescendente matou outro homem. De forma curiosa o assassino tornou-se um arquétipo do "homem negro valentão" - com jeito cool e streetwise.

I Don't Like Mondays: Alheios a história por trás da canção, a música do Boomtown Rats virou sucesso de cara, chegando as paradas americanas e britânica com facilidade. Aos poucos o que era um hino a todos os que detestavam este dia da semana ganhou uma nova dimensão, quando se revelou da onde surgiu a inspiração para tal hit: Brenda Ann Spencer, uma adolescente que acorda um dia e sai atirando em todos, matando duas pessoas e ferindo outras nove. O motivo? Ela não gostava de segundas-feiras e o tiroteio animaria o dia ("I don't like Mondays; this livens up the day").

Lendas Urbanas
Turning Japanese: Então, este sucesso oitentista da The Vapors tem uma das histórias sobre composição mais interessantes (e curiosa) que conheço; Os boatos é de que a música refere-se a expressão facial que se faz na hora do clímax da masturbação. Entretanto, a banda afirma que o dito "turning japanese" referia-se aos clichês de alguém que está doente de amor. O que eu acho? Para mim a letra tem muito de masturbatória; Como os comentários de estar totalmente sozinho sem ter nada mais para fazer, a fotografia e até mesmo no famoso refrão.

Mandy: Cantada por Barry Manilow, o boato que envolve esta música é de que teria sido feita para a cachorrinha do compositor (Scott English) chamada Brandy - Scott gravou primeiro esta música com o título de Brandy, para não dar confusão, alterou-se o nome para Mandy na versão de Manilow. Total lenda urbana isto! A confusão surgiu quando um repórter ligou para Scott e perguntou para ele quem seria Brandy; Ele, para se livrar dele falou a primeira coisa que surgiu em sua mente: "It was about a dog like Lassie and I had sent her away - now you go away!"

A música é o tipo de arte mais perfeita: nunca revela o seu último segredo. 
- Oscar Wilde


This entry was posted on 27 de jun de 2012 and is filed under , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

5 Responses to “ Não Era Bem Sobre O Que Pensei: Músicas Que Enganam! ”

  1. Ótimo Post parabéns pelo Blog

    http://momentodecuidar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. A verdade é que muitas e muitas e muitas vezes um compositor escreve algo para falar o que está sentindo na hora, ou de alguma situação que lhe incomoda ou chama atenção, como se fosse para se livrar daquilo, ou pra de alguma forma ficar guardado.
    Então a música fica famosa, mas o sentimento já passou, e quem escreveu não quer se expor... Acho que eu ia mentir muito se fosse compositora, para explicar a mídia o que danado tal música quer dizer... E fãs são curiosos!

    ResponderExcluir
  3. oio flor, oi querida, posso pedir um segundinho do seu tempo?
    Sou uma das 10 finalistas do concurso da SEPHORA e posso ser uma das 3 a ganhar uma viagem à Paris.
    Será que vc teria um minutinho pra votar em mim?
    o site é esse e é super seguro..

    http://www.visaodebeleza.com.br/VoteCandidato.aspx?id=1860

    Bjoss e obrigada!

    ResponderExcluir
  4. Oi Karla,

    Tudo bem? Gostei da sua lista, mas posso falar que sou fascinada por Every Breathe You Take.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  5. Que legal!

    Olhem isso aqui também, a Goodyear dará ingressos para a Stock Car no Rio de Janeiro,
    camarote open bar e open food!

    E os primeiros colocados darão uma volta rápida pelo autódromo em um dos carros da Stock!

    Acessem: http://www.facebook.com/goodyearbr/app_203351739677351


    http://on.fb.me/IMb6fA

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!