O Fator Amizade nas Obras de Stephen King

 "I never had any friends later on like the ones I had when I was twelve. Jesus, does anyone?" 
- Stephen King
.
Você pode estar se perguntando: "Karla, como assim falar de amizade durante um especial de terror?" Pois é, como fazia um tempo que desejava comentar sobre esta faceta da obra de Stephen King e por conta de alguns comentários costumeiros sobre o gênero Terror - em especial no que tange a "falta de lições de moral" -, pensei em por "no papel" algumas considerações sobre determinados textos deste mestre do horror. Aviso que falarei de trabalhos que foram levados ao cinema, por acreditar ser de maior abrangência.
.
Logo que pensamos na combinação proposta pelo título o primeiro texto de Stephen que vem a mente é o conto "O Corpo" presente no livro Quatro Estações. Este deu origem ao filme Conta Comigo (1986), clássico da Sessão da Tarde. A história destes quatro amigos que partem em busca de um cadáver, perdido no verde próximo aos trilhos do trem é um retrato sensível sobre o valor da amizade conquistada na infância - basta dar uma lida na bela frase que inicia o post para se ter uma idéia. Está certo que esta obra não seja de terror; Contudo, demonstra com grande maestria a visão de King sobre amigos, a qual é explorada em outros de seus trabalhos.

Nem Pennywise separou eles!
Similarmente ao que acontece com o acima citado, temos a película para televisão realizada em 1990: It - Uma Obra Prima do Medo. Horror em todos os sentidos e em todas as versões  - cinema e literatura - traz a figura de um palhaço macabro que atormenta um grupo de sete amigos durante a sua pré-adolescência. Este grupo de sete figuras aparentemente desajustadas acaba enfrentando o palhaço e "vencendo". Todavia, anos mais tarde a mesma coisa volta atacar crianças, e eles retornam a cidadezinha para encarar mais uma vez aquele monstro, conforme prometeram no passado. Apesar da distância, dos anos, dos rumos diversificados estes amigos cumpriram a promessa de infância e, de forma bem saudosista, demonstra que os anos não modificaram a ligação intensa que surgiu entre eles. Stephen traça uma amizade que mescla a inocência pueril com a responsabilidade uns pelos outros nascida de uma situação sobrenatural. Rara e verdadeira.
.
Outro exemplo de terror que mistura elementos infanto-juvenis de amizade e eventos sobrenaturais é o bom como romance de horror e ruim como filme: O Apanhador de Sonhos (2003).
.
Let me tell you something my friend:
Hope is dangerous thing.
Que a amizade verdadeira pode sobreviver as mais improváveis intempéries King conseguiu comprovar com as obras acima, agora, será que uma amizade forte pode nascer de um ambiente inóspito e desesperançoso? Stephen demonstra que a probabilidade disto depende do caráter dos envolvidos. Assim, sem julgar pelas aparências e possíveis crimes, cria-se nos belíssimos Um Sonho de Liberdade (1994) e À Espera de Um Milagre (1999) um brilho diferente neste sentimento, mais altruísta e companheiro e  isto tudo dentro do cárcere. Desta forma comprovando que a natureza humana é muito mais complexa do que afinidades e desentendimentos.
.
Retratando o agrupamento no caos
Seguindo mais para a linha do horror, sem perder a discussão sobre escolhas e natureza humana temos o filosófico O Nevoeiro (2007). Partindo do ponto de vista  de um pai e seu filho presos num supermercado durante um provável apocalipse, faz-se um terror questionador e muito interessante. Num ambiente de extremo caos e medo, as relações ganham um peso diversificado. Afinal, o que dita o comportamento é o temor sentido e suas crenças. Por tal, as interligações e pequenas revoluções conduzidas na trama retratam o nascimento e quebra de amizades, bem como, as consequências de cada uma destas decisões - precipitadas ou não.
.
Mais uma obra que caberia nesta linha de "amigos forçados" é a minissérie americana com roteiros de Stephen King: Rose Red - A Casa Adormecida de 2002. Aqui um grupo de pessoas é levado a uma casa mal-assombrada sob o pretexto de um estudo sobre insônia. Conforme os eventos assustadores vão acontecendo, os comportamentos pessoais ganham força e as aglutinações naturais acontecem.
.
Olhares Protetores
No fim das contas não importa quando e/ou como surgiu a amizade, o importante mesmo é o valor dado a um bom amigo, daqueles que enfrentariam evil trolls por você! Como não poderia deixar de ser, o mestre do terror traz esta figura em diversos de seus trabalhos; Em O Iluminado (1980), por exemplo, temos  o menino Danny que logo ao chegar no hotel recebe conselhos de Dick Hallorann, sendo que este ajuda aquele posteriormente a proteger/defender sua família do sobrenatural. Mas, nem sempre este amigo protetor é um ser humano, como podemos ver em Olhos de Gato (1985). Este felino das ruas atravessa três situações arrepiantes para cair nas mãos de uma garotinha. Bons Amigos são aqueles que enxergam o perigo de uma situação antes mesmo que você e, ao menos, tentam alertar, como aconteceu com Arnie que se apaixonou por um carro assassino em Christine (1983). Há vezes, entretanto, que nem uma amizade pura consegue livrar o outro da tragédia - ainda mais se a sua amiga for uma garota retraída e com poderes telecinéticos -, conforme se vê no excelente Carrie, A Estranha (1976).
.
Isaac e sua trupe
Amigos podem nos meter em situações irremediáveis, ainda que com boas intenções. Assim descreve Stephen King ao criar na obra Cemitério Maldito (1989) a personagem de Jud Crandall, este vizinho "prestativo" que conta sobre um cemitério de animais com poderes de ressuscitá-los sob uma forma não tão adorável quanto anteriormente. Para a infelicidade de todos, este "auxílio" logo se tranforma em maldição.
.
Já os maus amigos, aquelas influências indesejáveis, podem gerar atos de extremo terror; Como conseguiu Isaac, envolvendo as crianças, em Colheita Maldita (1984). 
.
Enfim, Stephen King explora magistralmente as relações pessoais e os laços de amizade desde a infância até a idade adulta. As variações e as análises criadas pelo autor só servem para comprovar que um bom trabalho do gênero de horror não se presta somente aos sustos, mas, serve-se deles para transitar entre as nuances que há nas personagens, nos medos e nas suas combinações. Um bom terror é muito mais do que monstros e sangue, é um retrato sombrio dos homens.












This entry was posted on 17 de out de 2011 and is filed under , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

19 Responses to “ O Fator Amizade nas Obras de Stephen King ”

  1. Stephen King é muito conhecido como escritor de horror, mas o que muita gente não sabe é que sua ficção vai além disso.

    Muitos de seus romances e contos foram adaptados magistralmente para o cinema e conquistaram fãs ardorosos. É o caso de "O Iluminado", "Um sonho de Liberdade" (adaptado do conto A redenção de Shawshank, de Quatro Estações) e "Conta comigo" (adaptado do conto O corpo, de Quatro Estações). Para quem gosta de ler e não tem preconceitos, vai se deliciar com suas obras.

    Não há como não se identificar, por exemplo, com pelo menos um dos personagens de "IT" (A coisa), que, para mim, é uma de suas melhores histórias. Adoro.

    ResponderExcluir
  2. Quando se fala em Stephen King,querendo ou não, somos diretamente ao lançados à memórias que remetem suas obras de forma mais direta, como o terror e o suspense. O teor mais dramático ou humano das obras acaba por ficar em um segundo plano, ou muitas vezes nem é lembrado. Tua associação é excelente, Karla.

    Adorei ler o artigo, como sempre acontece quando você fala de cinema. Até!

    ResponderExcluir
  3. Muito legal o blog,os posts,
    parabéns.

    da uma olhada no meu também

    www.visionporig.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. como sempre vc ta ahazando nos poster!
    rs

    http://www.hrdoblush.com/

    ResponderExcluir
  5. vc é linda e fala de terror de forma doce... bjão!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, uma abordagem diferente de um dos mestres (que nunca li...).
    Mas se pararmos pra pensar, é muito difícil criar uma trama que não envolva o relacionamento de pessoas, o que logicamente não tira o mérito de SK, já que ele o fez tão bem como você fala no post.
    Literatura de terror não me agrada muito, vou ver uns títulos dele menos macabros pra eu ler, porque ignorar a obra de um mestre é um crime.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Valeu Karla! Obrigado pela visita e pela recomendação, amanhã mesmo vou ver se arrumo esse livro! =)

    ResponderExcluir
  8. Incrível o post! Delicioso de ler e muito interessante! Fiquei com vontade de assistir "Olho de Gato"

    ResponderExcluir
  9. Stephen King é um gênio, né? :D
    -
    Adorei aqui... =)
    Parabéns!

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Karla, super valeu ter cidado o "À Espera de Um Milagre", é um filme realmente muuuito lindo! *-*
    Abraços! ;D

    ResponderExcluir
  11. Muito interessante a relação que vc fez de amizades...

    passa lá?
    http://uaimeu10.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. O texto e o seu blog estão maravilhosos! Parabéns.

    ResponderExcluir
  13. Não existem amigos em um apocalipse zumbi.

    É sempre bom lembrar as contribuições de Stephen para a literatura e o cinema. Quem tem mais de 45 anos ou um pouco de bom gosto deve ser lembrar de O Iluminado.

    ResponderExcluir
  14. Oie amei o seu blog, muito organizado muito interessante , muito Tudo! Estou seguindo, m visite e se gostar m siga tbm! bjus http://anavidadeestilista.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Esse cara é muito mas muito bom, fez grandes obras e em vários generos diferentes,Cemitério Maldito é o melhor para mim rsrsr

    ResponderExcluir
  16. Stephen King é cultuado pela maneira incrível como utiliza outros recursos em suas obras e a relações pessoais são o grande ponto forte, em filmes voltado ao público "teen" como IT lá está esse elemento na criação dos personagens, nos valores que cada um carrega.

    ResponderExcluir
  17. Adorei este post super completo Karla!

    Gosto, e muito, das escritas do Stephen King e "The Shining" lá no topo junto com "Carrie" entre os meus favoritos (livros e os filmes de Kubrick e De Palma). Além deles, acho que os diretores que melhor adaptaram suas obras foram Frank Darabont e Rob Reiner. No fator amizade, o melhor de todos é o "Conta Comigo", simplesmente um filmaço com cara de sessão da tarde, sim, porém muito mais do que isso. Eu lembro te ter assistido pela primeira vez no Corujão - dublagem clássica BKS!

    Olhos de Gato é muito divertido, toda aquela série de mini-filmes e narrativas e O Nevoeiro é o melhor dentre os filmes recentes.

    Belo ponto de vista e realmente os amigos são sempre bons amigos nas histórias de terror e drama de King

    ;)

    ResponderExcluir
  18. Acabo de conhecer teu blog...e adorei essa postagem sobre meu grande ídolo...

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!