Escapismo Cinéfilo: Dublê de Anjo


Para quem é fã de uma loucura básica, repleta de magia, cores vivas e um "q" de releitura da realidade... este é o seu filme!

Sinopse:
Num hospital ocorre o encontro inesperado da adorável menina Alexandria e do dublê desgostoso da vida Roy Walker. Ele envolve a pequena com uma história fantástica misturando com maestria realidade e sonhos. O universo criado por Roy parece ter respingos de surrealismo e banhando em cores. A amizade que surge não é tão descompromissada quanto o dublê sugere, a sua vida e escolhas passam pelo crivo da menina.

Ficha Técnica:
Título Original: The Fall
País: Estados Unidos/Índia/Reino Unido
Gênero: Musical, Histórico e Drama
Ano: 2006
Diretor: Tarsem Sigh
Elenco: Todo o elenco pode ser visto AQUI; Os principais são


Catinca Untaru - Alexandria



Lee Pace - Roy Walker/Black Bandit

Justine Waddell - Enfermeira Evelyn/Irmã Evelyn


Kim Uylenbroek - Médico/Alexandre, O Grande

Aiden Lithgow - Mensageiro de Alexandre




Prêmios:
  • Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films, USA: Indicado ao Saturn Award na categoria de Melhor Atriz mirim para a Catinca.
  • Austin Film Critics Association: Venceu na categoria de melhor Cinematografia.
  • Berlin International Film Festival: Vencedor do Crystal Bear - Special Mention para Tarsem Singh.
  • Chicago Film Critics Association Awards: Indicado como melhor Cinematografia.
  • Online Film Critics Society Awards: Indicado como melhor Cinematografia.
  • Sitges - Catalonian International Film Festival: Vencedor como Melhor Filme.

Crítica:
Impossível negar a magia daqueles olhos curiosos, aprisionados entre muros descrentes, dores e lamentos de um hospital. Pupilas que dominam a cena com um charme pueril do tipo inteligente e sapeca. O filme possui entre os seus principais trunfos a protagonista, a fotografia saída de um dos mais loucos sonhos de Dalí, o brilho do cinema mudo da década de 20, além do paralelo contrastante e sereno entre o real e o fantasioso.


A película começa com o flutuar de um bilhete de Alexandria (interpretada pela pequena Catinca Untaru) que destinado a uma das enfermeiras acaba caindo nas mãos de Roy (Lee Pace), o qual está passando por uma fase complicada de sua vida – considerando que além de ter sofrido um acidente em seu trabalho de dublê, deixando-o paralítico, também teve seu coração partido. Assim, corta-se para Alexandria caminhando com probidade por entre os corredores daquele hospital, apresentando aos poucos as mais curiosas personas até encontrar com Roy. O mesmo resolve contar uma história para a menina, que passa a sonhar com cada detalhe da dita.

O que parecia ser uma boa ação, logo beira a maldade, já que por trás da doçura do contador percebe-se a malícia, conduzindo a infante na ânsia de que ela o ajude, sem saber, a cometer suicídio.

A história contada pelo dublê é de uma trama indubitavelmente mágica – explicitando a luta de um grupo de personagens (o indiano, o escravo, o místico, Luigi – especialista em bombas –, Charles Darwin e o Bandido) contra o Governador Odioso. Todas as personagens imaginadas por Alexandria são, convenientemente, interpretadas pelos habitantes do hospital.

Outro ponto que muito favorece ao filme são as interrupções pertinentes de Alexandria durante a história, interferindo e modificando o rumo da fantasia conforme presencia fatos acontecerem na realidade. Ademais, a fotografia da parte “irreal” do filme é algo esplendoroso, incomum, recheada de cores primárias, fortes e intensas. Capazes de fazer qualquer um suspirar perguntando-se: “Estaria diante de uma cena ou de alguma obra de arte?”.

The Fall, dirigido pelo indiano Tarsem Singh (A Cela), apadrinhado por outros dois excelentes diretores: David Fincher (O Curioso Caso de Benjamin Button e Clube da Luta) e Spike Jonze (Quero ser John Malkovich e Adaptação), até pode lembrar Peixe Grande, mas ganha no lirismo do desenrolar dos fatos, já que consegue retratar com verdadeira maestria o imaginário de uma criança. Além de possuir algo de pungente que prende o telespectador no exato limiar da realidade e da fantasia.

Ao final, percebe-se a impossibilidade de negar os encantos do mundo que Alexandria faz questão de lançar na tela.

Classificação:


Onde Encontrar:
Por ser uma película mais recente, é possível encontra-la com  certa facilidade nos sites listados abaixo nas seguintes opções:
  • Americanas, em DVD por R$ 24,90;
  • Mercado Livre, em DVD duplo, por R$ 53,20; e
  • Amazon, em DVD por £ 4,49, ou em Blu-Ray por £ 5.00.

Trilha Sonora:
A soundtrack conta somente com a "Symphony No. 7 in A major, Op. 92, II. Allegretto" de Ludwig van Beethoven interpretada pela The Bulgarian Symphony Orchestra, conduzida por Deian Pavlov. Pode parecer estranho, mas, ficou em perfeita harmonia. Ouça agora:



This entry was posted on 12 de set de 2011 and is filed under , , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

17 Responses to “ Escapismo Cinéfilo: Dublê de Anjo ”

  1. Nossa adorei a dica, ainda não tinha ouvido falar desses filmes.
    Mais confesso que o 1º me chamou mais atenção não sei porque rs

    http://marifriend.blogspot.com/
    beijo

    ResponderExcluir
  2. Já tinha visto esse filme em algum lugar que não me lembro ,mas está ótimo a descrição....

    ResponderExcluir
  3. Sempre que leio algo seu sobre algum filme, imediatamente me dá vontade de assistir o meso *-*
    Parabéns pelo texto. Vou procurar esse filme para assistir :)

    ResponderExcluir
  4. Olha você gosta mesmo do que faz aqui. Muitas informações, com fontes e tudo bem organizado. Parabéns pela dedicação

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia, curti demias vou procurar isso!


    http://blogdocharque.com/

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o filme!
    Valeu pela dica.
    Assistirei com certeza!

    ResponderExcluir
  7. O elenco é ótimo, o enrendo melhor ainda. Já perdi as contas de quantas vezes assisti este filme. É muito bom.

    Há tempos que não passava por aqui, e enquanto dava uma olhada pelo conteúdo do teu blog, percebi que ainda não o seguia. Tratei de mudar isso.

    Até mais, e volte sempre. Comentários como os seus fazem toda a diferença.

    ResponderExcluir
  8. Gostei da contextualização do seu blog. Muito bacana ;) e diferente!

    Ainda não assisti este filme, eu sei que é falha minha, mas do Tarsem Sigh só assisti mesmo o traumático "A Cela".

    Beijos
    Rodrigo


    Gostaria de trocar links ou Banner?
    Seguindo vc!
    http://cinemarodrigo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. toda vez q vejo o Lee Pace me dá uma saudade de "Pushing Daises".

    ResponderExcluir
  10. Karla, eu havia esquecido desse filme. O primeiro trabalho desse diretor como cineasta (A Cela) foi fraco na narrativa, mas impressionante nas cenas. Aposto nesse e vou assistir! Abs!!

    ResponderExcluir
  11. Urbano e Rodrigo

    Realmente A Cela é bem sem justificativa...
    Mas, o visual é impecável no absurdo!

    ;D

    ResponderExcluir
  12. Olha, a sugestão é perfeita. Embora não tenha visto a película, já recebi boas recomendações...
    Quanto ao que já foi dito, concordo no que se refere à organização dos artigos. Parabéns pela preocupação com o melhor, com as fontes. Parece mesmo gostar de tudo isso!

    http://molduraseretratos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Minha curiosidade foi despertada, lembra bem a temática de Mary e Max, mas a animação parece ser mais sombria, parece pq também não assiste hahahahahahaha

    ResponderExcluir
  14. Nunca ouvi falar desse filme mas parece bacana

    ResponderExcluir
  15. Não conheço esse filme , mas parece ser bom mesmo , esses filmes alternativos conseguem sempre serem bons pois não tem o compromisso do entretenimento fácil .
    http://fleonandthecity.blogspot.com/

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!