Escapismo Cinéfilo: A Noite dos Mortos-Vivos

Estarei desativando o meu antigo blog Escapismo Cinéfilo eis que não estou conseguindo dar a devida atenção a ele. Todavia, perda lá é ganho cá: Estarei montando uma nova sessão aqui no Nascida em Versos - com frequência de 15 dias a mensal, no estilo do Livro do Mês. A ideia é fazer  uma crítica de determinado filme, além de conceder informações "completas" sobre a produção - prêmios, elenco, trilha sonora. Criei uma página fixa aonde será possível acessar os títulos pela classificação.

Vamos ao primeiro escolhido:
O universo dos zumbis é muito explorado na atualidade, algumas vezes de forma proveitosa, outras nem tanto. Contudo, há quem se diga fã do gênero sem nem ao menos conhecer o clássico-mor da temática. Trazendo um pouco de terror para o blog, com vocês a obra maior de George A. Romero: A Noite dos Mortos-Vivos.


Sinopse:
Após um desastre com um satélite com radiação extra-terrestre, os mortos voltam a vida e retornam famintos por carne humana. Perante tal situação, um grupo de pessoas refugia-se em uma casa isolada, esperando o resgate.


Ficha Técnica:
Título Original: Night of the Living Dead
País: Estados Unidos
Gênero: Ficção Científica, Terror e Clássico
Ano: 1968
Diretor: George A. Romero
Elenco: Todo o elenco pode ser visto AQUI; Os principais são

Duane Jones - Ben


Judith O'Dea - Barbra


Karl Hardman - Harry


Marilyn Eastman - Helen


Keith Wayne - Tom




Prêmios:
  • National Film Preservation Board, USA: Em 1999 o filme foi selecionado para fazer parte do Registro Nacional de Filmes dos EUA, como forma de garantir a preservação da obra cinematográfica.


Crítica:
They're coming to get you, Barbra, there's one of them now!
A passos lentos, sem qualquer força vital, noção de sentimentos/convenções ou denominação apropriada surgiram uns dos primeiros zumbis; Melhor dizendo, até existiam mortos-vivos antes, mas, sem a a força apocalíptica imposta por George A. Romero. Foi este diretor que com sua estréia nos cinemas, uma boa idéia e baixo orçamento, acabou por ditar as regras e preceitos até hoje seguidos em películas do gênero - como é o caso da contaminação, da forma de matar a criatura e do caráter de apocalipse. 

Apesar de ser um longa de 1968, este adota a filmagem preto e branco, o que confere ao longa-metragem um ar mais jornalístico e funciona muito bem. A fotografia também foi privilegiada com esta tática, abusando-se de momentos com imagens escuras. O pai dos zumbis ainda escolheu uma trilha sonora coerente com o clima.

Um detalhe que vale o destaque é o fato de os zumbis - nunca denominados desta forma durante o correr das cenas - não possuírem qualquer caracterização, como é visto nos dias atuais. Tudo ficando ao encargo da interpretação, das roupas surradas e dos ataques. Por ser um filme antigo, alguns momentos e erros de sequência conferem instantes de divertimento. Nada que não foi superado pelo ótimo trabalho do diretor.

A trama em si surpreende por não se fixar nos mortos-vivos, mas, no anseio de sobrevivência do pequeno grupo. O longa quase todo se passa dentro da casa, com o rádio e a televisão ligados, meios usados como explicativos do contexto. Assim, o mais assustador está no estudo da natureza humana perante situações extremas. Na época em que foi lançado, A Noite dos Mortos-Vivos causou um alvoroço geral, eis que além de trazer para o primeiro plano uma figura do âmbito do terror esquecida, culminou num dos melhores - senão o melhor - e mais surpreendentes finais de películas do estilo. 

Via de consequência, se você gosta de zumbis, não resiste a um bom filme de terror ou simplesmente é um curioso sobre as discussões envolvendo o instinto de sobrevivência humana, esta é a obra cinematográfica indicada!

Classificação:




Onde Encontrar:
Para os interessados em adquirir o DVD, no site  2001 Vídeo é possível comprá-lo pelo preço de R$ 19,90. Já no Mercado Livre, encontra-se o mesmo por R$ 24,90. Todavia, por esta película ter sido inclusa na categoria de Domínio Públicopode-se fazer o download grátis no Internet Archive, ou assistir on line, conforme disponibiliza o Canal LuckyStrike502  - filme completo incluso abaixo -, mas, não é legendado.



Trilha Sonora:
Com uma soundtrack toda instrumental, o filme surpreende em momentos de grande tensão. Uma bela compilação sonora; Ouça agora:



Para Mais Escapismo Cinéfilo clique AQUI!


This entry was posted on 15 de jul de 2011 and is filed under , , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

15 Responses to “ Escapismo Cinéfilo: A Noite dos Mortos-Vivos ”

  1. quee legaaaal , gostei , bem abcana , Parabéns ! :D
    http://wanessacarvalhoem.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. caramba, vários links... eu curti muito na minha infância o 'a volta dos mortos vivos'... esse de george homero n assisti n... mas a ideia orginal veio toda do primeiro que é dele, né, interessante...

    ResponderExcluir
  3. Não sabia que esse tema já era explorado nos anos 60. Gosto muito de filmes do gênero, pois estranhamente não acho difícil que isso possa acontecer. Assustador, mas eu acho.
    Inté...

    ResponderExcluir
  4. Acho que o tema "mortos-vivos" já não atrai mais tantos amantes do terror, tornou-se uma versão "soft". Afinal, vira piada quando mesmo andando a passos lentos, o morto-vivo ainda alcança quem está correndor s

    ResponderExcluir
  5. Clássico! e pensar que todos esses filmes de zumbi que se ve hj, essa história de vírus, efeitos especiais e tal, mas e a história? as vezes nao tem nada que se pode tirar.
    a noite dos mortos vivos é um exemplo do quanto o cinema, mesmo de horror, pode trazer boas noçoes filsosóficas.
    abraço

    ResponderExcluir
  6. http://rocknrollpost.blogspot.com/

    filmes de zumbis são legais

    ResponderExcluir
  7. E hoje em dia, os zombies estão em alta \o/

    ResponderExcluir
  8. Legal seu blog,vc é uma boa escritora e sempre vai no meu blog,obrigado.
    Novo post:Clonagem artificial humana.
    http://viniciusguahy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Nossa, parabéns pelo posto: incrivelmente completo! Sinopse, crítica, trilha sonora! Perfeito!

    Vários filmes imensamente bons que assisti foram de indicação de blogueiros e não da crítica dos jornais e revistas... agora já sei onde buscar algumas dicas!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. um babado mto forte esse blog, menina c eh cheia d cultura, amay

    bjos e bom FDS
    http://drehluvz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Esse filme é uma obra-prima dos mortos-vivos, possui o erro de ser chamado o primeiro filme de zumbis, o primeiro mesmo é White Zombie de 1932 com Béla Lugosi da hj falida United States.

    A produção é cheia de curiosidade, todos os atores desempenharam funções fora da cameras, e até George A. Romero fez uma pontinha, na verdade varias com diferente personagens de menores aparições.

    No YouTube existe varios videos com o filme na integra e como não pertenção a nenhum estudio qualquer produtora pode reproduzir.

    ResponderExcluir
  12. eu adoooro esse blog
    muito bom o seu modo de usar as palavras
    abçs
    http://meninos-cor-de-rosa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Kiko:

    Apesar de eu não ter assistido ao White Zombie,
    O que eu qui falar no post é que o filme do Romero foi o um dos primeiros a trazer o "Zumbi" como tema essencial do filme, especialmente no que diz respeito aos moldes que atualmente são seguidos.

    Os que traziam mortos-vivos antes de George faziam isto de forma secundária e até mesmo rasa... não como ele expôs.

    Mas, vou conferir o filme com o Bela antes de dizer qualquer coisa.

    Muito Obrigada pela contribuição.

    ;D

    ResponderExcluir
  14. tem muito filme de zumbi idiota...
    seçao da tarde que o diga...

    mas este aí foi um dos melhores q assisti
    agora q vc relembrou dele vou ver outra vez

    abraços
    .
    www.ouvindoparalamas.blogspot.com
    .

    ResponderExcluir
  15. é o blog nascida em versos no mundo da abominação! adorei, adoro tudo que fala sobre terror .!
    vc fez uma crítica bastante abrangente sobre o filme que nos faz refletir a "divisão de águas" que ele representou para o cinema na década de 60!
    parabéns, belo post!



    \tô aki retribuindo comentário, mto obrigada, pessoas como vc são a essência para a existência do meu blog


    http://diariodagarotadevariasfaces.blogspot.com
    sigo quem me segue e retribuo comentários

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!