Sujeitos

Cada ação implica em uma reação;
Cada ação nasce de alguém;
Cada alguém age como pode;
E dentro da oração aparece o sujeito.

De início,
Com seu nome alto e “garrafal”,
Grita algo que orgulho jura ter
- talvez acusado seja –
‘O João comeu arroz e feijão’.
Eis aí um sujeito simples.

Para alguns casos,
Infelizmente
– ou felizmente – ,
Não basta um só humano para a ação
‘João e Maria irão ter um bebê’.
Nasce, literalmente, um sujeito composto.

O ser humano, no entanto, nem sempre é admirável.
Por determinadas ocasiões
- diga-se de passagem –
Sente vergonha de si mesmo.
‘Roubaram à loja tal’.
Quem roubou?
Eles.
Eles quem?
E escondidos ficam,
Desaparecendo no sujeito oculto.

De todos,
O realmente misterioso está por vir.
Não há qualquer definição neste:
É homem?
É mulher?
É criança?
É humano?
É coisa?
É vivo?
Quem atormenta a mente dos curiosos
É o sujeito indeterminado.
‘Procura-se alguém para encantar cobras’.
Quem procura?
Que alguém?

Agora,
Que atire a primeira acusação
Quem nunca sujeito foi.
(e voa uma pedra pelo ar)
Uau!!
Parabéns!!
Sujeito acaba de tornar-se.


Confira o texto também no RECANTO DAS LETRAS.



This entry was posted on 23 de mai de 2011 . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

Leave a Reply

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!