O Encontro

Marcamos um encontro, após quase três anos de insinuações e questões mal resolvidas. Não era nenhuma data especial, nem mesmo verão, fui ao litoral. Queria respostas, que talvez calassem mais fortes que o silêncio. Não ligava.

Comprei um vestido vermelho, pelo simples fato de sentir-me segura com esta cor, ajeitei os cabelos, dei os últimos retoques na aparência. Saí apressada, o táxi já estava na porta do hotel.

Após algum tempo de uma conversa polida com o motorista, desci em uma praça repleta de cores e aguardei sua chegada. Uma palpitação suave remodelou meu corpo, que estremeceu antes mesmo do toque quente de sua pele.

Sorrimos. Cumprimentos saudosos. Olhares aflitos. A princípio elogios vagos e histórias rotineiras. Uma conversa tão despretensiosa que meu ser percebeu o dia acinzentar-se e as cores esvaírem-se daquele lugar. As respostas não surgiam. As perguntas vetadas. Tomei coragem, sempre fui a que tive iniciativa, soltei sem rodeios:

- Mas então, você me convida para vir até aqui, sabendo o que sinto, fala e fala sobre coisas sem importância e não chega ao ponto que bem no fundo ambos queremos esclarecer: O que rola entre nós? O que você sente por mim? O que você quer comigo?

- Direta você, hein?

- Neste clima de franqueza, antes que você me responda, peço para que seja o mais objetivo possível. Nada de embolações. Sei que você se importa comigo, que não pretende magoar-me, etc., etc. A dúvida tortura minha alma mais do que uma certeza negativa. Então fale, sem medo.

- Eu gosto de você. Gosto do seu jeito, da forma como é capaz de acrescentar tanto a outrem. E, depois de sua carta, minha cabeça demorou a entender o que o coração já conhecia de cor. Você é pessoa para mim.

- Você me quer?

- Quero e não quero. Temo que a distância física não permita que nossa história se concretiza em algo maior. Receio que se tivermos nossa noite, talvez única, a amizade suma. O sexo atrapalha estas coisas. Eu posso apaixonar-me por você. Só não sei se devo.

Sem pensar, beijei-o. Um ato involuntário que resultou numa seqüência de outros atos. O amor meu é grande demais para racionalizar. Ele me empurra, fita meu rosto e num gesto suave diz:

- Eu não sei o que devo fazer. Há tanto o que perder, tanto o que ganhar.

- Segue seu íntimo. Arrisque. Já ousei tanto por você. Ouse por mim.
Foi no chão do apartamento, depois na cama, que se acalmou a urgência. Um alívio pela carícia tanto esperada. Uma aflição pelo que viria a seguir. Em silêncio memorizávamos cada detalhe. Poderia ser esta a nossa única noite unidos.

Confira o texto também no RECANTO DAS LETRAS.



This entry was posted on 23 de mai de 2011 . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

One Response to “ O Encontro ”

  1. A distância, por maior que seja, nunca será um impecílio para dois corações apaixonados.

    Lindo Texto.

    Bjs, Misunderstood

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!