Entre Silêncios

São os detalhes esquecidos que entregam meu espírito ao desalento.
Finjo Diariamente não notar os comentários,
Ignoro a dor de vê-lo tão vazio, tão sem mim.
Para as perguntas feitas
Criei respostas repetidas,
Repelidas da verdade.
Um milhão de justificativas inválidas.
No instante em que me isolo do mundo,
Num silêncio aterrador de quem chora,
É que ouço os gritos da alma implorando por saber:


                                                  Já acabou?
                                                            Já posso abrir meus olhos?
                                                                      Se abrir, voltaremos ao que fomos?
                                                                                Quando a realidade será outra?
                                                                                          Posso quebrar-me mais que isto?

No silêncio de quem cala o pranto secreto,
Volto-me para a órbita terrena,
Mas, nada mudou.
Desmorono sem cair.

Confira o texto também no RECANTO DAS LETRAS.



This entry was posted on 23 de mai de 2011 . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

5 Responses to “ Entre Silêncios ”

  1. belo seu poema! postria algum dia poema de humor ?
    abraço..

    www.naocomplicaa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei esse texto.
    Da uma passadinha lá? Acabei de atualizar.
    http://jooymartins.blogspot.com/
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Achei bem triste. Com um tom de esperança longincoa.
    Achei bonito
    gostei

    ResponderExcluir
  4. legal seu blog!
    http://crisarteamorvida.blogspot.com/

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!