Coexistência

Noite adentro,
Olhares que calam,
Bocas Famintas.
Um passo além do esperado,
Nuca arrepiada.
Mãos deslizando
Sem forças para um recuo.
Agora é entrega.
Coxas entrelaçadas.
Calor intermitente.
Ao som do roçar da pele,
Uma sinfonia de suspiros
Proclamam o ritmar
Dos prazeres inquietos,
De dois que insistem
Em coexistirem-se.


Confira o texto também no RECANTO DAS LETRAS.



This entry was posted on 24 de mai de 2011 . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

2 Responses to “ Coexistência ”

  1. Sutilmente belo.


    seus blogs todos , cada um com um layout mais legal, é vc quem faz?

    ResponderExcluir
  2. Karla, seu poema acabou de ser publicado na ABL.
    Agradecemos sua participação e parabéns!

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!