Redescobrindo Jeff Buckley

Sabe aquela voz que toda vez que ela roça em seus ouvidos parece dominar cada detalhe de seus sentimentos e jogar na melodia mais insanamente harmônica e aniquiladora? Bom, comigo são três os cantores que me causam isto: Johnny Cash, Leonard Cohen e Jeff Buckley. Eles são capazes de escancarar cada temor, insegurança, angústia, força, interno meu e transformar em beleza, em música, em arte.

Dos três o mais, digamos, atual é Jeff Buckley. Como na postagem anterior citei seu nome - já que associado do ator/guitarrista/compositor/fotógrafo Tighe - pensei comigo: Por que não fazer uma Redescoberta de Buckley? Afinal, se alguém capaz de criar canções inegavelmente atemporais porque não redescobrir cada detalhe delas?

Jeff Buckley, filho do cantor/autor Tim Buckley, nasceu em 17 de novembro de 1966 na Califórnia. Autodidata, desde pequeno viu-se envolto em musicidade, sendo que compôs a sua primeira canção aos treze. Desde que saiu de casa aos dezessete anos, passou por diversas bandas de rock e reggae antes de começar uma carreira a solo, chamando a atenção do público pela primeira vez numa homenagem ao seu pai, cantando Once I was. Tendo atuado em diversos clubes da cidade, gravou o seu primeiro EP em 1992 (lançado em 1993), Live at Sin-é e pouco tempo depois, já em 1994, após assinar com a Sony, um álbum Grace - um dos melhores álbuns da década - o qual acompanhava a sua banda habitual: Michael Tighe (guitarra), Mick Grondhal (baixo) e Matt Johnson (bateria).

Além de estar na lista das três melhores vozes (para mim), Jeff faz parte de uma estatística desoladora: O fim que chegou cedo demais. Em 1997, enquanto trabalhava no seu segundo álbum, no dia 29 de maio, foi nadar no Mississipi e acabou morrendo afogado. Encontraram-no uns dias depois, mais precisamente em 04 de Junho. Consta dos relatórios que NÃO havia a presença de drogas em seu organismo.

As canções inacabadas de Buckley foram editadas num álbum duplo pela sua mãe com o título Sketches(For My Sweetheart the Drunk) em 1998. Continuaram depois a editar álbuns póstumos com material recuperado de concertos e gravações privadas. Entre elas, destaca-se o material ao vivo Mystery White Boy (2000) e o Songs to No One 1991-1992, (lançado em 2002) com temas inéditos.
.
Jimmy Page disse que Grace é, com certeza, um dos melhores discos da década de 90 e que é fã de Jeff Buckley. A Sony, por sua vez, afirmou que Jeff seria rapidamente do escalão de Bob Dylan e Bruce Springsteen; O que não duvido nada.

O que faz dele uma ótima redescoberta?
As composições intensas, a voz arrebatadora, o intimismo devastador, a força de expressão, o talento que já nascera pronto e que foi interrompido tão de súbito que se torna impossível ficar indiferente. Bob Dylan ressaltou certa vez que “Jeff Buckley é algo para se descobrir aos poucos e intensamente”. Então, redescubra-o desta forma.


Para iniciar esta redescoberta vamos para o básico do básico:
A sua versão para a belíssima música de Leonard Cohen, Hallelujah.



Agora, seguimos com a canção homônima de seu álbum debut:
Grace



Esta é uma das minhas preferidas:
Lover, You Should've Come Over.



A sincera:
Lilac Wine


Last Goodbye - Esta daqui tem uma regravação muito boa da Scarlet Johansson se quiserem conferir.



Agora uma mais Badass:
Eternal Life



E para terminar outra das minhas favoritas:
Forget Her.


Boa redescoberta!


Mais Informações em seu site oficial: http://www.jeffbuckley.com/ 


This entry was posted on 20 de set de 2010 and is filed under , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 . You can leave a response .

28 Responses to “ Redescobrindo Jeff Buckley ”

  1. teu blog tá ótimo, Karla. sobre o jeff buckley, considero um bom vocalista e um guitarrista interessante, o problema é que ele morreu.. aí vira mito, né.. igual tantos outros. é bom, mas nem tanto para isso tudo.

    abraço

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro o seu Blog Karla, vc se expressa muito bem, comento pouco, mas sempre estou por aqui.

    ResponderExcluir
  3. não conheciaa ele ;;! muitooo bommm! :D
    como sempre seu blog ta lindo!
    ;*

    ResponderExcluir
  4. Como você comemntou no meu blog..me sinbto na abrigação de comentar no seu rsr


    so pra dizer que agora estou acompanhando seu blog...e que você esta de parabéns....ate mais

    ResponderExcluir
  5. Adorei! e seu blog é lindo e super interessante, parabéns

    ResponderExcluir
  6. Oi Karla.


    Com certeza ele foi um dos grandes cantores da década de 90,se igualando em termos de lirismo a Leonard Cohen, suas músicas são sempre baseadas na vida e na dificuldade de vivê-la.

    Infelizmente, os bons morrem cedo.

    Te aconselho a ouvir também as composições de Nick Drake, cantor britânico que faleceu em 1974, com apenas 26 anos de idade, e trabalhou com um dos melhores produtores de álbuns da Europa e que inclusive produziu Leonard Cohen.

    Se você já o conhece, melhor ainda.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Estou "descobrindo aos poucos e intensamente”...
    adorei o blog... super lindo!
    Gostei muito do post, não conhecia Jeff Buckley, e estou gostando bastante!
    Tô ouvindo agora =D
    Abraço
    Pris
    http://cantinhodapris.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Não o conhecia , ele canta bem :) tbm começo cedo 13 anos oO' mas o melhor é a maneira como você escreve, Excelentemente bem parabéns

    ResponderExcluir
  9. animal o post..ele jah se foi..mais como dizem..." os bons morrem jovens !" ahuauha

    ResponderExcluir
  10. Vou assistir um ou dois vídeos dele para ter uma idéia do som que ele faz. Se gostar, comento de novo.

    ResponderExcluir
  11. sonzinho agradável, a Eternal Flame até me fez lembrar bem vagamente Pearl Jam do início da carreira.

    mas ainda é muito meio termo para mim, sou 8 ou 80 rssss

    parabéns pelo blog novamente e obirgado pelos comentários...

    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Lembra um pouco o Rufus Wainwright, só que com a voz mais doce... boa redescoberta... a minha mais recente "redescoberta" é a Gal Costa do início dos anos 70. Não sei se você a admira, mas eu acho um show! Que tal fazer um post sobre ela?... Garanto que muita gente ia gostar, viu, inclusive eu, rs.

    ;)

    F.

    ResponderExcluir
  13. obrigado pela dica, vou tentar lá... entra na nossa comunidade, dá essa força para nós aí, vlw

    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Quando algum autor, seja músico, escritor ou o que for nos deixa cedo, sua genialidade é "aumentada".
    Se transforma em um mito.

    Só podemos imaginar o que Jeff, Jimi e outros mais teriam criado se continuassem vivos.

    ResponderExcluir
  15. juro que não conhecia!
    o cara é bom!

    ResponderExcluir
  16. grande descoberta õ/
    mt bom seu blog, parabéns *-*

    ResponderExcluir
  17. não é bem meu estilo de música mas o cara tem talento (:
    muito legal o blog, parabens ;*


    http://medrops.com

    ResponderExcluir
  18. Como fã e admiradora do grande Jeff Buckley, posso dizer que sua resenha foi muito bem escrita, mas tenho que relatar alguns erros:

    - após encontrarem seu corpo e fazerem vários exames, constataram que não havia nenhum vestígio de drogas ou bebida alcoólica em seu organismo
    - o EP Live at Sin-é foi gravado em 1992 e lançado em 1993 (e relançado em 2003 com o subtítulo Legacy Edition). Grace é que foi lançado em 1994 (e relançado em 2004 com o mesmo subtítulo)
    - Eternal Life é o nome correto de uma das suas músicas

    Enfim, mesmo com alguns pequenos erros, devo parabenizá-la pela "redescoberta de Buckley". E, para se aprofundar mais na história desse magnífico talento, sugiro os livros "Dream Brother - The Lives and Music of Jeff and Tim Buckley", "Jeff Buckley - Mystery White Boy Blues", "A Pure Drop - The Life of Jeff Buckley", "Grace", e um de fotos chamado "A Wished-For Song - A Portrait of Jeff Buckley with Photos and Interviews".

    ResponderExcluir
  19. Lucimara:

    Fico muito grata com a sua contribuição!
    Os erros já serão corrigidos... Confesso que entre as pesquisas acabei me atrapalhando... hehehe
    Mas fico muito feliz que tenha gostado e Espero sua visita em minhas próximas postagens!

    ;D

    ResponderExcluir
  20. muito bom!
    comente no meu blog tambem!
    [b][blue]Faça uma visita!
    Blog: http://explorerdigital.blogspot.com/
    Twitter: http://twitter.com/explorerdigital
    Feed: http://feeds.feedburner.com/explorerdigital
    Facebook: http://www.facebook.com/NetSoft.F.P
    Para parcerias entre em contato pelo orkut mesmo ou pela pagina de contato: http://explorerdigital.blogspot.com/p/contato_01.html
    Obrigado pela atenção!

    ResponderExcluir
  21. Bom conhecer o trabalho de vários artista. Não conhecia Jeff Buckley... achei legal as canções dele.

    ResponderExcluir
  22. Grande Buckley deixará eternas saudades. Eis um daqueles caras q realmente sabia o que era ser um artista de verdade.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  23. Hum, gostei da voz dele.
    E cacete, que cara lindo.

    ResponderExcluir
  24. Olá amiguinha, estou começando a conhecer teu blog e estou gostando muito. Quanto ao Jeff, confesso que não conheço muito dele, mas agora depois de assistir a esta versão de Hallelujah, vou atrás do que encontrar dele. Abraços, agora voce tem mais um seguidor.

    ResponderExcluir

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." [ Michel de Montaigne ]

LEIA,
PENSE,
COMENTE!

Obrigada pelo seu Comentário!!